Isso é gratidão, amor, altruísmo...

on sábado, 28 de novembro de 2009


No famoso conto de O. Henry, O presente dos magos, uma jovem esposa tem apenas 1,87 dólares para comprar um presente para o marido, e o Natal é no dia seguinte. Ela decide impulsivamente vender seu cabelo longo e abundante para ter como comprar uma corrente para o estimado relógio de ouro dele. Naquele exato momento ele está vendendo o relógio para comprar um presente para ela: escovas especiais para o seu belíssimo cabelo.

(Extraído de "O evangelho maltrapilho", Brennan Manning, pág. 122 - Ed. Mundo cristão)

A essência da confiança bíblica.


Um certo sacerdote das Bahamas conta uma história que captura a essência da confiança bíblica. "Uma casa de dois andares estava pegando fogo. A família - pai, mãe, vários filhos - estava saindo quando o menino mais novo ficou aterrorizado, fugiu de sua mãe e subiu correndo as escadas. Ele de repente apareceu numa janela do andar superior, chorando como louco em meio à fumaça. Seu pai, do lado de fora, gritava: "Pule, filho, pule! Eu pego você". O menino gritou: "Mas, papai, eu não consigo ver o senhor". "Eu sei, disse o pai, mas eu estou vendo você".


(Walter J. Burghardt - Tell the next generation, pág. 43 - citado em "O evangelho maltrapilho" pág. 121-122, Ed. Mundo cristão)

Ser cristão.


Um cristão triste é um cristão falsificado, e um cristão culpado não é cristão coisíssima nenhuma.


Arcebispo Joe Reia, citado em o "Evangelho maltrapilho", pág. 119 - Editora Mundo cristão.

Disse Jesus: Eu não me lembro.


Talvez você já tenha ouvido esta história: há quatro anos, numa grande cidade do extremo oeste, começaram a correr os rumores de que certa mulher católica estava tendo visões de Jesus. Os relatos chegaram ao arcebispo. Ele decidiu verificar. Existe sempre uma linha tênue entre o místico autêntico e a extremidade fanática.
- É verdade, minha senhora, que a senhora tem visões de Jesus - perguntou o clérigo.
- É - respondeu singelamente a mulher.
- Então, na próxima vez que a senhora tiver uma visão, quero que peça que Jesus lhe conte os pecados que confessei na minha última confissão.
A mulher ficou perplexa.
- Estou ouvindo direito, bispo? O senhor quer mesmo que eu peça a Jesus que me conte os pecados do seu passado?
- Exatamente. Por favor, ligue-me se alguma coisa acontecer.
Dez dias depois a mulher informou o seu líder espiritual da aparição mais recente.
- Por favor, venha - disse ela.
Uma hora depois o bispo havia chegado. Ele olhou-a nos olhos.
- A senhora acaba de me dizer ao telefone que teve de fato uma visão de Jesus. A senhora fez o que eu pedi?
- Sim, bispo, pedi a Jesus que me contasse os pecados que o senhor confessou na sua última confissão.
O bispo inclinou-se para frente, na expectativa. Seus olhos se estreitaram.
- O que Jesus disse?
Ela tomou a mão dele e olhou fundo nos seus olhos.
- Bispo - ela disse, - essas são as exatas palavras dele: EU NÃO ME LEMBRO.

(Extraído do livro "O Evangelho maltrapilho" de Brennan Manning, pág. 118-119 - Ed. Mundo cristão)

Verdade - Carlos Drummond de Andrade

on sábado, 14 de novembro de 2009


A porta da verdade estava aberta,
mas só deixava passar
meia pessoa de cada vez.

Assim não era possível atingir toda a verdade,
porque a meia pessoa que entrava
só trazia o perfil de meia verdade.
E sua segunda metade
voltava igualmente com meio perfil.
E os meios perfis não coincidiam.

Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.
Chegaram ao lugar luminoso
onde a verdade esplendia seus fogos.
Era dividida em metades
diferentes uma da outra.

Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.
Nenhuma das duas era totalmente bela.
E carecia optar. Cada um optou conforme
seu capricho, sua ilusão, sua miopia.