Pensamentos.

on segunda-feira, 27 de fevereiro de 2012

 
 Weslei Odair Orlandi

            Fitafuso, o experiente diabo velho e tio do jovem diabo Vermebile, é apenas um personagem no imaginário da obra de C.S. Lewis Cartas de um diabo ao seu aprendiz, porém as palavras que foram postas em seus lábios pela habilidade excêntrica do autor deixam lições surpreendentes a todos os leitores.
            Num discurso zombeteiro e irônico sobre os humanos, Fitafuso adverte Vermebile que o grande propósito deles não é enfiar idéias em suas cabeças, mas deixá-las de fora. O que eles querem é evitar que olhem para Deus e voltem-se para si mesmos.
            É engraçado como nos vemos fazendo parte desta engrenagem sutil sem que demos conta disso.
            O homem jamais vive à margem dos pensamentos. Descartes afirmou: “Cogito ergo sum” (Penso, logo existo); assim, existimos porque pensamos.
            Os pensamentos jamais podem ser aniquilados ou preteridos em nossas mentes. Precisamos, em vez de lutar para apagá-los, usar a esperteza que Deus nos deu e reorganizar nossas mentes substituindo pensamentos negativos por pensamentos positivos.
            Somos sim, capazes de treinar e redirecionar nossos pensamentos mirando-os noutras direções.
            Não podemos impedir que um pensamento nos alcance, mas podemos proibi-lo de ficar conosco.
            A grande arma de satanás não é gerar em nós pensamentos hediondos, mas privar-nos daqueles que nos fazem saber quem somos (somos mais do que vencedores), de onde viemos (de Deus) e para onde vamos (para o céu). Por isso nesse ano de 2008 mentalize as palavras de Paulo aos Colossenses e aos Filipenses:

            Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas.
                                                                                          Colossenses 3:2 (NVI)

            Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nestas coisas.
                                                         Filipenses 4:8 (NVI)

            Tragamos de volta os bons e edificantes pensamentos que se foram. Ocupemo-nos com aquilo que pode nos dar esperanças (Lm 3:21). Treinemos nossas mentes predispondo-as para olhar sempre adiante e também para cima. Entreguemo-nos à Presença completamente real do Deus todo-poderoso; certifiquemo-nos sempre de que ela está focada no Altíssimo. Firmemo-nos no propósito de nunca perder o alvo. O resultado será excepcional: O Deus de paz será conosco, e esta paz, que excede todo o entendimento guardará os nossos corações e os nossos sentimentos, em Cristo Jesus.
           
            Ótimos pensamentos para todos!

SALMO 1 - PARÁFRASE.

on quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Weslei Odair Orlandi


COMO DEUS ESTÁ FELIZ COM VOCÊ!
VOCÊ NÃO ANDA NA CARTILHA DE SATANÁS; NÃO SEGUE O MANUAL ADULTERADO QUE ELE CRIOU.
PELO CONTRÁRIO. VOCÊ SABE QUE O MANUAL ORIGINAL E VERDADEIRO SÓ DEUS POSSUI E É A ELE QUE VOCÊ LÊ; E É ÀS SUAS INSTRUÇÕES QUE VOCÊ SEGUE.
POR ISSO, FIQUE TRANQUILO. SUA VIDA, AO CONTRÁRIO DE MUITOS QUE LEEM E SEGUEM O OUTRO MANUAL, SERÁ PRESERVADA, PROLONGADA E SEMPRE FUNCIONARÁ COM DESEMPENHO TOTAL.
DEUS NÃO TEM NADA A VER COM A VIDA DE QUEM SEGUE O MANUAL PARALELO, PIRATEADO E ILEGAL, MAS COM A DOS QUE SEGUEM SUAS INSTRUÇÕES ELE TEM COMPROMISSO TOTAL E INQUEBRÁVEL.

Apenas um prego e nada mais.

on quinta-feira, 16 de fevereiro de 2012

Weslei Odair Orlandi

Um velho pastor do Haiti falou da necessidade de compromisso com Cristo assim. Ele contou a história de um homem que queria vender sua casa por dois mil dólares. Outro homem queria muito comprar aquela casa. Mas, porque era pobre não conseguia pagar o preço exigido. Depois de muita negociação o dono da casa concordou em vender a casa pela metade do preço. Havia apenas uma ressalva: ele continuaria como dono de um pequeno prego cravado na parede em cima da porta da casa.
Anos depois, o dono original quis comprar sua casa de volta. Mas, o novo dono não concordou em vendê-la; foi então que o dono original saiu pela estrada, achou o cadáver de um cachorro e o pendurou na parede pelo prego que lhe pertencia. Em pouco tempo, a casa ficou insuportável, e a família foi obrigada a vender-lhe a casa de volta.
A conclusão do pastor Haitiano foi a seguinte: “Se nós deixarmos o diabo com apenas um pequeno prego nas nossas vidas, ele voltará e pendurará seu podre lixo lá, deixando as nossas vidas insuportáveis para Cristo habitar.”
Esta ilustração demonstra com largueza o que muitos cristãos têm feito em seu dia a dia; deixam em seus corações pequenos espaços não preenchidos pela luz de Cristo; pequenas fissuras por onde o pecado pode infiltrar-se.
Corremos sérios perigos quando mantemos escondidos velhos e estimados pecados, hábitos e sentimentos. É certo nestes casos – tão certo quanto dois e dois são quatro – que satanás voltará, cedo ou tarde, para reiniciar ali seu pérfido domínio. Assim devo perguntar o óbvio: Existe em você algum prego [leia-se: pecado ou hábito predileto] que você ainda mantém em sua vida? Esteja certo, o príncipe deste mundo irá requerer seus direitos sobre e se você não quiser ceder por bem ele buscará meios de fazê-lo cair estragando tudo que você conquistou até agora. E, no final, se não forem tomadas providências radicais, ele levará tudo que você tem.
Não dê lugar ao diabo. Hoje, agora, examine-se a si mesmo; se não for capaz de fazê-lo com precisão peça ajuda do alto. Melhor, ore como Davi que, afrontado por  sua ineficácia, clamou: "Quem pode entender os seus próprios erros? Expurga-me dos que me são ocultos", Salmo 19.12.

Depois de Eloá quem será a próxima vítima?

on terça-feira, 14 de fevereiro de 2012


Weslei Odair Orlandi

Em outubro de 2008 o país parou para ver boquiaberto a ascensão da estupidez humana. De lá para cá outras e piores barbáries já se somaram àquela. Refiro-me à morte da jovem Eloá. Infelizmente, casos como o dela, seqüestrada e assassinada pelo ex-namorado em Santo André – SP, não são mais pontuais. Com a chegada do século XXI os jovens parecem ter perdido seus referenciais e agora passam a atirar em todas as direções. Nos Estados Unidos a invasão de universidades seguida de mortes e suicídios já não é mais um acontecimento isolado; no Brasil também temos experimentado a nossa dor particular como foi o caso do Massacre do Realengo onde Wellington Menezes, de 23 anos, entrou no colégio onde estudara e saiu atirando a esmo matando doze inocentes alunos.
         Com o julgamento de Lindemberg Alves, o ex-namorado e malfeitor de Eloá, em curso nesta semana a pergunta que fica no ar é: “quando isso vai acontecer de novo?”. “Quem será a próxima Eloá?”.
         Refletir sobre os motivos tresloucados como os de Lindemberg não é tarefa fácil. Nem mesmo psicólogos e psiquiatras parecem estar certos do que está por detrás de tudo. Convocados pela imprensa para dar explicações deixam apenas uma certeza: os jovens estão desnorteados e precisam urgentemente resgatar valores que foram descartados como obsoletos. Um deles afirmou em entrevista ao Jornal Hoje: “Lindemberg não é uma vítima da sociedade, mas um fruto dela”. 
         Todos nós sentimos que alguma coisa de muito grave está acontecendo com as bases morais da nossa cultura. Sob olhares incrédulos os fundamentos estão sendo transtornados sem que nada ou quase nada seja feito. Os números são alarmantes. A gravidez entre adolescentes, o suicídio entre jovens, a violência, o uso de armas e drogas nas escolas, a promiscuidade sexual, o desrespeito e a indiferença não param de bater novos recordes a cada ano. Seria este o indício da ineficiência da sociedade e suas leis?
         Creio que precisamos enxergar mais além. Olhar para além dos sintomas e enfrentar as causas fundamentais, as raízes do problema. A juventude de hoje está sendo criada – consciente ou inconscientemente – e preparada para o niilismo (doutrina segundo a qual nada existe de absoluto). O credo pós-moderno que nossos jovens seguem tem como máxima filosófica o “se gostar, faça”.  Some-se a isso a mensagem subliminar de que podem tudo. Esse ambiente educacional que rejeita a noção da verdade e que desloca da realidade os nossos filhos iludindo-os com a idéia de que são superiores é, contudo, altamente erosivo.
          Muitos de nossos filhos simplesmente não compreendem ou aceitam o fato de que existem verdades absolutas e que devem ser regidos por elas. Josh Macdowell define verdade absoluta como sendo “aquelas que são verdade para todas as pessoas, em todas as épocas, e em todos os lugares”. A sociedade, porém, diz que a verdade é aquilo em que eu acredito, mesmo que eu seja o único a crer nela. Essa é a gênese da estupidez das escolhas que fazem e das atitudes que adotam.
         Criar nossos filhos em meio a uma “geração corrompida e perversa” (Fp 2:15) não é tarefa fácil. Mas há esperança! Não há caminhos fáceis, mas há esperança. No fundo, no fundo, o que nossos filhos querem é sentirem-se amados e seguros com aquilo que oferecemos a eles. A geração shopping center pode até não assumir publicamente a necessidade que tem de uma moral forte, constante e objetiva, mas quando milhares deles saem à rua para chorar a perda de uma amiga querida o que estão dizendo é que a liberdade excessiva que lhes foi outorgada está cada vez mais nauseante; que eles precisam mesmo é conhecer o certo e o errado absolutos.
         C.S. Lewis escreveu em seu livro Cristianismo puro e simples:
         “Sempre que encontrar alguém que diga não acreditar num verdadeiro certo e errado, verá essa pessoa contradizer-se dentro em pouco. Ele talvez quebre uma promessa que fez a você, mas, se for você quem quebrar a promessa feita a ele, com certeza ele se queixará, “Não é justo”, na mesma hora. Ao que parece, portanto, devemos acreditar num verdadeiro certo e errado. As pessoas podem às vezes enganar-se quanto a isso, assim como alguns não sabem somar corretamente; mas não se trata de simples gosto e opinião, como também não acontece com a tabuada”.
         Precisamos desobstruir os poços entulhados pelo lixo que a literatura, a televisão e as conversas de fim de tarde têm lançado diariamente neles. O problema dos nossos jovens não está no fato de que gostam de sexo, de diversão e de liberdade. Estes impulsos não são rivais da verdade absoluta. A questão central é que tiraram Deus do palco para colocarem a si próprios como “ator principal”. Dessa forma, fica valendo a pergunta que fez Philip Yancey: “Quando a sociedade obstrui de forma tão abrangente a sede humana por transcendência, devemos nos surpreender que tais anseios se redirecionem para uma expressão de mero apego ao físico?”. Fica valendo também a resposta que ele mesmo encontrou: “Talvez o problema não seja que as pessoas estejam se despindo, mas que elas não estejam se despindo o suficiente: paramos na pele em vez de ir mais fundos, de ir até a alma”.
         O desafio de ajudar nossos jovens a reencontrar os valores de Deus para suas vidas está lançado. Pais, avós, professores, pastores e líderes em geral precisam resgatar com urgência o código moral e ético da Palavra para inculcá-los nessa geração teen.
         Como você deve ter percebido Lindemberg não é um caso isolado. Eloá não é uma pessoa apenas. Tanto um como o outro são apenas a amostragem que temos de uma sociedade perdida. O iceberg ainda não foi devidamente dimensionado