Por falta de assunto

on domingo, 24 de fevereiro de 2008


Weslei Odair Orlandi

Por falta de assunto, resolvi escrever. Mas escrever o quê? Assunto não falta, o que falta é saber sobre que assunto escrever. Assunto é aquilo de que se trata, que é matéria ou objeto de consideração. Assunto é aquilo que desperta interesse, que chama atenção.
Resolvi escrever. Mas escrever o quê? Assunto não falta, o que falta é saber que assunto interessa quem lê. Existem muitas formas de assunto e muitos assuntos sem forma, sem informação, sem eira nem beira, que servem pra tudo menos pra ser chamado de assunto.
Outro dia me vi em apuros. Encontrei-me com um amigo, desses que acha assunto e tempo pra tudo. No primeiro instante decidi que não iria agüentar muito daquela tagarelice sem fim, verborragia inútil, palavrório em cascata, mas com poucas idéias. Maquinei um jeito de escapar; disse a ele que o assunto era bom, mas que precisava ir embora. De empolgado que estava, nem me ouviu, ou se ouviu, fingiu não ouvir. Continuou falando, e falando falou até que, de tanto falar se engasgou com saliva. Nem assim se deu por vencido: lembrou-se de um outro dia em que se engasgara com uma semente de jabuticaba. “Foi assunto pra semana inteira”, falou meu amigo ainda pigarreando por causa do engasgo recente.
Sentei-me e, resignado, tentei encontrar conforto nas palavras de Tiago, o apóstolo: “Todo homem seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar”.
“Uma hora ele vai se cansar” – pensei, e antes que pudesse fazer alguma interpolação, vi aproximar-se de nós um outro rapaz, um outro amigo meu que também gosta de falar e acha assunto e tempo pra tudo. Foi pura sorte, na verdade um golpe de misericórdia que pôs fim ao meu sofrimento. Eles, de tão empolgados que ficaram com os assuntos do dia, acabaram se despedindo de mim, misturando adeus com risada, risada com salada de fruta (que era o assunto que eles haviam começado a tratar) e então se foram. E eu, bem... eu, depois de tanto ouvir meus amigos tarelos acabei descobrindo que em vez de falar queria escrever.
Então, tentei escrever. Mas, escrever sobre o quê?
“Assunto não falta – argumentei mentalmente – o que falta é saber sobre que assunto escrever”. E depois, de tanto pensar, acabei escrevendo sobre a incapacidade de escolher sobre que assunto falar, quando não se sabe escolher um assunto que seja assunto para o assunto em questão.

Pensamentos


Weslei Odair Orlandi

Fitafuso, o experiente diabo velho e tio do jovem diabo Vermebile, é apenas um personagem no imaginário da obra de C.S. Lewis, porém as palavras que foram postas em seus lábios pela habilidade excêntrica do autor em “Cartas de um diabo a seu aprendiz” deixam lições surpreendentes a todos os leitores.
Num discurso zombeteiro e irônico sobre os humanos Fitafuso adverte Vermebile que o grande propósito deles não é enfiar idéias em suas cabeças, mas deixá-las de fora. O que eles querem é evitar que olhem para Deus e voltem-se para si mesmos.
É engraçado como nos vemos fazendo parte desta engrenagem sutil sem que demos conta disso.
O homem jamais vive à margem dos pensamentos. Descartes afirmou: “Cogito ergo sum” (Penso, logo existo); assim, existimos porque pensamos.
Os pensamentos jamais podem ser aniquilados ou preteridos em nossas mentes. Precisamos, em vez de lutar para apagá-los, usar a esperteza que Deus nos deu e reorganizar nossas mentes substituindo pensamentos negativos por pensamentos positivos.
Somos sim, capazes de treinar e redirecionar nossos pensamentos mirando-os noutras direções.
Não podemos impedir que um pensamento nos alcance, mas podemos proibi-lo de ficar conosco.
A grande arma de satanás não é gerar em nós pensamentos hediondos, mas privar-nos daqueles que nos fazem saber quem somos (somos mais do que vencedores), de onde viemos (de Deus) e para onde vamos (para o céu). Por isso nesse ano de 2008 mentalize as palavras de Paulo aos Colossenses e aos Filipenses:

Mantenham o pensamento nas coisas do alto, e não nas coisas terrenas.
Colossenses 3:2 (NVI)

Finalmente, irmãos, tudo o que for verdadeiro, tudo o que for nobre, tudo o que for correto, tudo o que for puro, tudo o que for amável, tudo o que for de boa fama, se houver algo de excelente ou digno de louvor, pensem nestas coisas.
Filipenses 4:8 (NVI)

Tragamos de volta os bons e edificantes pensamentos que se foram. Ocupemo-nos com aquilo que pode nos dar esperanças (Lm 3:21). Treinemos nossas mentes predispondo-as para olhar sempre adiante e também para cima. Entreguemo-nos à Presença completamente real do Deus todo-poderoso; certifiquemo-nos sempre de que ela está focada no Altíssimo. Firmemo-nos no propósito de nunca perder o alvo. O resultado será excepcional: O Deus de paz será conosco, e esta paz, que excede todo o entendimento guardará os nossos corações e os nossos sentimentos, em Cristo Jesus.

Feliz pensamentos para todos!