Salmo 2 - uma paráfrase.

on quinta-feira, 31 de maio de 2012


Weslei Odair Orlandi



Os governantes da terra lutam para eliminar quaisquer vestígios e governo e intervenção de Cristo. 
Contudo, Deus ri deles como que dizendo: "Pobres coitados, quem vocês pensam que são?"

Assim, Deus faz com que o ouçam por meio da sua ira e os confunde com seu furor.

Enquanto eles querem se livrar definitivamente do Senhor, ele diz ao Seu Filho:
"Pede-me, eu darei a você as nações como herança. Você os vencerá totalmente".

Se eles fossem mesmo sábios, ao invés de guerrear contra o Senhor, dariam ouvidos aos seguintes conselhos:
a) Sejam prudentes;
b) Aceitem as instruções Dele para que não pereçam;
c) Honrem ao Seu Filho Jesus;
d) Aceitem o fato de que só é verdadeiramente feliz aqueles que confiam nEle.





A grandeza do Mar.

on quarta-feira, 23 de maio de 2012



Paulo Roberto Gaefke

VOCÊ SABE por que o mar é tão grande?
Tão imenso? Tão poderoso?
É porque teve a humildade de colocar-se alguns centímetros
abaixo de todos os rios.
Sabendo receber, tornou-se grande.
Se quisesse ser o primeiro, centímetros acima de todos os rios,
não seria mar, mas sim uma ilha.
Toda sua água iria para os outros e estaria isolado.
A perda faz parte.
A queda faz parte.
A morte faz parte.
É impossível vivermos satisfatoriamente.
Precisamos aprender a perder, a cair, a errar e a morrer.
Impossível ganhar sem saber perder.
Impossível andar sem saber cair.
Impossível acertar sem saber errar.
Impossível viver sem saber viver.
Se aprenderes a perder, a cair, a errar, ninguém mais o controlará.
Porque o máximo que poderá acontecer a você é cair, errar e perder.
E isto você já sabe.

Bem aventurado aquele que já consegue receber com a mesma naturalidade
o ganho e a perda, o acerto e o erro, o triunfo e a queda, a vida e a morte.


[No livro "Quando é preciso Viver" página 29]

Família, projeto de Deus.


Weslei Odair Orlandi




Eu amo minha Família!






A FAMÍLIA É PROJETO DE DEUS...


Ou seja:

1. É dele a ideia original; a patente é dele e ninguém tem o direito de fazer dela o que quiser;
2. Ele a desenhou como quis;
3. Ele é o responsável por ela;
4. Ele sabe o jeito certo e agradável de fazê-la funcionar;
5. Ele não assina projetos executados com alterações que não correspondam ao seu desenho; (nenhum arquiteto ou engenheiro em sã consciência faria isso)
6. Ele chancela, acompanha, auxilia e garante toda execução segundo seus critérios.


Assim: se você não concorda com Ele faça votos de castidade e não se case, não prostitua a ideia dos outros e não queira dizer ao Arquiteto o que fazer em sua mesa e  seus traçados!

PROIBIDO PARA MENORES DE 18 ANOS.

on terça-feira, 22 de maio de 2012



Weslei Odair Orlandi



Antes de você prosseguir eu o advirto de que o conteúdo desse artigo é deplorável e verdadeiramente proibido para menores de 18 anos. Logo, se sua idade é incompatível a essa faixa etária: “NÃO PROSSIGA”.

(...)
Certo. Já que você está convencido de que pode ler o que está escrito abaixo, então, vamos lá!

(...)

Era uma vez, sentado à frente do computador, um leitor curioso, menor de 18 anos, que não agüentava ver diante de si  um aviso do tipo “proibido para menores de 18 anos”. Um dia, sem querer querendo, ele clicou certa página da internet cujo aviso era exatamente esse:“PROIBIDO PARA MENORES DE 18 ANOS”. Por um momento ele parou.
[??] 
Pensou em não avançar, olhou para os lados, pensou mais um pouquinho e então concluiu que já estava bastante crescido e ajuizado para ter de obedecer aquele aviso parado à sua frente, colocado ali se sabe lá por quem...
Antes, porém, pensou mais um pouco e, como não havia ninguém por perto... [enter] Entrou! O que viu a seguir não parecia ser tão proibido assim. Tratava-se de um texto escrito por certo pastor que, sabendo que o título “proibido para menores de 18 anos” chamaria a atenção de alguns curiosos resolveu testar a integridade deles. Assim, para sua decepção e raiva, viu que havia sido não só enganado como também reprovado no teste de caráter. Duplamente decepcionado ele decidiu sair daquela página, mas antes de fugir para sempre dali deparou-se com a seguinte advertência:

“... Denunciem a baixeza dessas coisas. É uma vergonha passar a vida fazendo tudo escondido, com medo de que alguém descubra. Deixem que essa escuridão repugnante enfrente a luz e descubram como serão atraentes à luz de Cristo.” (Efésios 5.11-13 – A mensagem)

Não gostou muito do que leu, mas como o texto lhe atingiu em cheio, desde então, prometeu para si mesmo e também para Deus que nunca mais navegaria em territórios proibidos. Foi assim que a sua vida mudou, melhorou e, bem... Daquele dia em diante ele nunca mais deixou que a curiosidade o vencesse tão facilmente.

Ovelhas e Ovelhas.


Tomo a liberdade de parafrasear o escritor Ed René Kivitz para dizer que há além de pastores e pastores também ovelhas e ovelhas. Não é difícil perceber isso. Basta olhar um pouco à nossa volta para chegar-se à conclusão de que existem, pelo menos, dois tipos de ovelhas no aprisco.
         O primeiro tipo chamo de “ovelha-lobo”. São ovelhas corrompidas. Algumas conscientemente, outras sinceramente enganadas. São corrompidas no entendimento da Palavra. Utilizam a fé para alcançar seus objetivos egoístas, servir seus próprios interesses. Para elas Cristo é apenas um detalhe e sua mensagem um obstáculo incômodo. Vivem entre seus irmãos de fé, mas não têm sentimentos próprios de uma ovelha. No papel que representam junto aos demais conseguem enganar os menos esclarecidos. Fingem amar a Deus, mas negam-no com suas ações. Estão sempre aprendendo, mas jamais conseguem chegar ao conhecimento da verdade. Não irão longe, porém; por resistirem à verdade e à transformação que deveriam experimentar, as suas mentiras se tornarão evidentes a todos e muito especialmente no último dia, quando Jesus, o Supremo Pastor, chamar para si aqueles que lhe pertencem. Não é difícil identificar uma “ovelha-lobo”. Elas quase nunca dão ouvidos à voz do Bom Pastor, quase nunca sentem desejo de orar, evangelizar, santificar a vida, envolver-se nas causas do Reino de Deus. Enfim, nunca foram regeneradas pelo Espírito, isto é, o Espírito nunca as transformou em novas pessoas.
         O segundo tipo chamo de “ovelha-ovelha”. Aquelas são lobos vestidos de ovelhas. Estas são iluminadas. Rompem a linha que nivela os mortais. São resolvidas em sua alma. Vivem no patamar que a Bíblia chama de “vida no Espírito”. Apesar das contradições e angústias da vida, Deus sabe que elas o amam e que entusiástica e conscientemente repetiriam as palavras de Dostoievski: “Caso me dissessem que Cristo não é verdade, eu diria: ‘Vai-te, verdade, pois tudo o que quero é Cristo’”. As ovelhas-ovelha são compreendidas por Deus mais do que por elas mesmas. Deus as ama de um jeito diferente pois elas o conhecem e quando um estranho aparece nunca o seguem; na verdade, fogem dele, porque não reconhecem a voz de estranhos, Jo 10:5.
         Ovelhas assim nos fazem perceber a tolice de viver enganosamente. A sensação que passam é a de que Deus conta tudo para elas. São bem-aventuradas porque jamais deixam o verdadeiro caminho. Não se sentiriam confortáveis...
         Ah, sim. Antes de pôr um ponto final, permita-me perguntar-lhe: “você é uma ovelha-ovelha, não é”?

O que são os problemas?

on sexta-feira, 18 de maio de 2012


Os "problemas" são...

... um prognóstico, que nos ajudam a formar nosso futuro.
... um lembrete, que nos relembram do fato de que não somos auto-suficientes, pois precisamos de Deus e dos outros.
... oportunidades, porque nos desestabilizam e nos levam a pensar criativamente.
... bênçãos, porque abrem portas para nós passarmos que, normalmente estariam fechadas.
... lições e cada novo desafio é um novo professor.
... mensagens, pois nos avisam de desastres em potencial.
... soluções, pois não exisitem problemas sem soluções.

(John Maxwell, citado por Elias Dantas em "O desafio da liderança", pág. 94-95 - Ed. Aleluia)

CORRER RISCOS.

on terça-feira, 15 de maio de 2012

Sorrir é correr risco de parecer tolo. Chorar é correr o risco de parecer muito sentimental. Tentar se aproximar de outra pessoa é correr o risco do envolvimento. Expor os seus sentimentos é correr o risco de expor o seu verdadeiro eu. Colocar suas ideias e pensamentos diante dos outros é correr o risco de perder a atenção deles. Amar é arriscar não ser amado. Viver é arriscar morrer. Esperar é arriscar o desespero. Tentar é arriscar fracassar. Mas o risco existe para que passemos por ele, pois nada é pior na vida do que nada arriscar. A pessoa que nada arrisca nada faz, nada tem e nada é. Ela pode evitar o sofrimento e a tristeza, mas, simplesmente, não pode aprender, crescer, sentir, amar e viver. Acorrentada por sua atitude, ela é uma escrava que abriu mão da sua liberdade.

[Autor anônimo: Citado por Elias Dantas em "O desafio da liderança", pág. 83 - Ed. Aleluia]