Sermão C.S. Lewis - "O peso de glória".

on quinta-feira, 23 de abril de 2009


No dia 08 de junho de 1941 C.S. Lewis pregou esse sermão, a convite de Canon T.R. Milford, no Solemn Evensong, na Igreja St. Mary the Virgin, da Universidade de Oxford.


Ler esse sermão foi um prazer imenso!!


Cito aqui trechos desse sermão:


" As justas recompensas não se relacionam por um simples vínculo de pagamento com a atividade a que premiam, antes são a própria atividade em consumação" - pág. 31.

"A satisfação chega de mansinho, junto com o trabalho tedioso e inevitável, e ninguém pode precisar o dia nem a hora em que cessa o trabalho e começa o prazer" - pág. 31.

"Se o Cristianismo não pudesse me dizer mais nada da terra distante além do que meu próprio temperamento já não me permitisse conjeturar, então o Cristianismo não seria mais nobre do que eu. Se ele tem mais a me oferecer, espero que seja algo nada menos imediatamente atrativo que "as coisas que eu posso inventar" - pág. 37.

"Afirma um antigo escritor, que aquele que tem Deus e todas as coisas não tem mais do que aquele que tem apenas Deus" - pág. 38.

"A natureza é mortal; nós continuaremos vivendo depois dela. Quando todos os sóis e nebulosas tiverem acabado, cada um de nós ainda estará vivo. A natureza é apenas uma imagem, o símbolo, mas é o símbolo que as Escrituras nos incentivam a usar. Somos convidados a passar pela Natureza, para além dela, para entrar no esplendor que ela refere ainda de forma hesitante" - pág. 47.


(C.S. Lewis em "O peso de glória" - Ed. Vida)