Conteúdos da religião moderna.

on quarta-feira, 4 de março de 2009


Weslei Odair Orlandi



Eugene Peterson em seu livro "O pastor desnecessário" avalia com isenção as entranhas da religião moderna trazendo um diagnóstico claro, preciso e contundente sobre sua atual situação. Sintetizei algumas das suas conclusões e decidi compartilhá-las com todos quantos desejam se safar desse triste espetáculo sem vida.







A religião moderna, dominada pela cultura:







1. Se tornou uma grande teóloga, mas não se importa nem um pouco com Deus;



2. Serve aos interesses das pessoas nos termos delas;



3. Procura atender aos desejos de satisfação do público que a compõe;



4. Procura atender a fome de encontrar um significado, a sede de beleza, a importância e a impaciência frente a Deus, que exige entrega total;



5. Mistura histórias, superstições, desejos e relações públicas que atendam às necessidades religiosas das pessoas;



6. Evoca o que há de melhor nas pessoas - mas o melhor do que elas querem para si mesmas, e não o que Deus quer para elas;



7. Oferece o que é bom, sem se preocupar com a moralidade;



8. Oferece transcendência sem Deus;



9. Em vez de cristocêntrica, dissipa-se em sentimentos exaltados, combinações de ideias, grupos de discussões e reuniões interessantes;



9. Seu conteúdo é moldado pela cultura e não pela cruz de Cristo.







Em suma: a igreja moderna absorveu em grande parte as aspirações do secularismo e, através dos seus poros, incorporou uma religião sem compromisso, espiritualidade sem conteúdo, aspiração, conversa, desejo, satisfação necessidade. Mas, nada disso inclui grandes preocupações com Deus.











Eugene Peterson é hoje um dos autores mais lidos e recomendados entre pastores e cristãos em geral. Sua habilidade com as palvras, sua firmeza doutrinária e sua clareza de ideias não devem ser desprezadas. Por isso: leia, desse autor, tudo que for possível.





(Eugene Peterson em "O pastor desncessário" - Ed. Textus)