Aconteceu de novo.

on sábado, 18 de dezembro de 2010

Weslei Odair Orlandi

         Aconteceu de novo. Janeiro chegou, o carnaval passou, a páscoa foi celebrada, o inverno assustou quem não gosta de frio, ricos foram enterrados, mineiros foram soterrados – e também desenterrados, mulheres foram violentadas, casas desabaram, aviões caíram, trens descarrilaram, carros se chocaram, crianças morreram em filas do SUS, velhos foram maltratados, políticos corruptos foram desmascarados, bancos prosperaram, empresas faliram, casais se apaixonaram, famílias se desintegraram, geleiras derreteram, debates dividiram a opinião da população, mentiras foram contadas, verdades foram ocultadas, morros foram invadidos, bandidos fugiram, policiais reagiram, jovens protestaram, torcidas se enfrentaram, Dilma venceu, Serra perdeu... Nada mudou...
         Enfim, 2010 – como todos os outros 2009 anos anteriores – veio cheio de alegrias, tristezas, realizações, frustrações, protelações, surpresas (algumas boas, outras nem tanto), repetições (algumas vãs, outras necessárias), doenças, idas e também vindas. Até aqui nada de novo. Apenas os ciclos se repetindo segundo a ordem natural da vida. Não deveria ser assim. Bom mesmo seria não termos nada de ruim para contar, nenhuma violência, nenhum óbito precoce, ninguém enfermo, ninguém desempregado, ninguém solitário. Mas não. Isso ainda é utópico. Impossível. O ano que se despede, como todos os demais que já se foram, não deixará saudades. Apenas lembranças.
         Mas tudo bem. Acontece sempre. A cada dúzia de meses nos congratulamos, nos abraçamos, fazemos votos e pedidos, desejamos sorte, trocamos presentes e então, sem muita empolgação, conformados, mas também resolutos começamos tudo de novo.
         Andei pensando sobre isso o que me levou à seguinte conclusão: 2010 como também todos os demais anos não passa de uma grande metáfora, o que segundo Milan Kundera não é qualquer coisa – “As metáforas são perigosas. Não se brinca com as metáforas. O amor pode nascer de uma simples metáfora”. Mas tudo bem, não estou de brincadeira. Falo sério, consciente e, espero, acertadamente.
         Afinal, para que servem as metáforas?
         Metáforas são recursos de linguagem onde uma coisa é utilizada para comunicar outra mais profunda. Sendo assim, 2010 é então uma sugestão nada modesta do que vem pela frente, do tipo de comportamento que devemos ter, da esperteza que devemos gerir, da paciência que devemos nutrir.
         Nunca se pode saber aquilo que se deve querer, esperar, fazer, recusar ou abraçar, quando não há comparações possíveis. Não é o nosso caso. Há uma verificação possível. Nada será vivido pela primeira vez e sem preparação. Como se já tivéssemos assistido a uma mesma peça teatral inúmeras vezes, inclusive os ensaios, erros e dificuldades dos atores, assim é que 2011 vai chegar. O que foi voltará a ser. O que é deixará de ser. Nada de novo se avultará; apenas de novo se repetirá.
         É assim que devemos desembarcar de 2010, embarcarmos em 2011 e prosseguir viagem. Sem grandes ilusões, sem grandes desilusões. O que aconteceu provavelmente será esquecido pela grande maioria. Ninguém, exceto os historiadores, se importará com a antiguidade. Os mais novos então, muito menos. Tudo bem. Isso também não é novidade.
Uma coisa, entretanto, se fará necessário é será esse o meu pedido: não percamos a alma, não nos tornemos alheios, não nos conformemos com a dor do estranho. Se os anos se repetem e são iguais, que sejam também iguais e se repitam a fé, a compaixão, a sensibilidade, o altruísmo, a abnegação, a decência e, principalmente, o amor.
Tudo passa. Tudo passará. Mas, o amor não! Não o deixem morrer.
    Que venha o ano novo. Que venha o que vier. Viva 2011 e viva também o amor!